POR OUTRO LADO...

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

HORA DO SPRINT PETISTA NA ELEIÇÃO DE SALVADOR

O Instituto Datafolha divulgou os números da pesquisa feita em Salvador dias 29 e 30 de setembro, que obviamente contrariam os dados do Ibope. Mas vamos deixar essa história de Ibope pra lá e prestar atenção no que interessa.

Essa foi a sexta pesquisa de intenção de voto realizada pelo Datafolha em Salvador. A primeira delas aconteceu entre os dias 23 e 24 de julho. De lá pra cá, veja só o que aconteceu com cada um dos candidatos que realmente disputam, palmo a palmo, duas das três vagas para o segundo turno soteropolitano:

Pinheiro: de 8% pulou para 13%, depois 16%, 20%, 21% -até chegar aos 22% de agora. Tem o menor índice de rejeição entre os candidatos e conta com a militância do partido. Tem gás para a reta de chegada, portanto.

João Henrique: começou com 19% e caiu para 17%. A partir daí só fez crescer, com 21%, 22%, 23% e 25%. Está se valendo de todas as armas para chegar ao segundo, até pintar coqueiro e asfaltar praia (veja aqui o post do Licuri que repercutiu forte em A Tarde e O Globo).

ACM Neto: Sinhozinho largou com 27%. Andou pelos 26% e 28%. Daí caiu sem parar, para 27%, 26% e 24%. Performance de cavalo paraguaio.

O vigor da candidatura de João Henrique na reta de chegada não deve surpreender. A máquina da prefeitura toda está voltada para sua reeleição, é muita gente investida na condição de soldado para defender seus empregos e contratos. Jogo duro.

A frustração causada pela não-aparição de Lula no programa de Pinheiro está sendo habilmente explorada pelos marqueteiros de JH e Neto. A turma de Ioiozinho, por exemplo, marcou um golaço na TV apontando a edição da imagem de Lula, feita pela equipe de Pinheiro a partir do comicio de sábado, no Farol da Barra., como se o presidente tivesse estado lá. O truquezinho não passou despercebido não, a imprensa já pôs a manobra no ar.

Mais que plantar algum desalento entre seus simpatizantes, o petista perdeu votos importantes e vai ter que suar a camisa para chegar à frente do peemedebista e do coronelzinho.


Esse acordo com o PMDB é uma autêntica piada. O PT não pode explorar a participação de sua principal estrela na campanha mas o PMDB pode explorar sua ausência. É mole?!

Como diz o Zé Simão, é mole mas sobe. O PMDB domina a arte de chantagear governos e impôs um acordo nacional que ata as mãos do PT nas capitais, como em Salvador, onde a parada poderia ter sido definida já no primeiro turno, se Lula tivesse participado da campanha.

Não bastasse isso, Pinheiro não consegue entusiasmar, dada sua natureza tímida e seu sorriso difícil. Vai chegar lá porque não tem jeito, a simbologia de sua eleição é de facílima assimilação pela população. Vai porque tem que ir, é assim. E seja o que deus quiser.


Um comentário:

Marcus Gusmão disse...

Este acordo do Geddel Henrique João Lima com o PT é uma autêntica parceria Caracu ou Nicolau. Cada qual entra com sua rima, e advinha qual a rima sobra para o PT?