POR OUTRO LADO...

domingo, 20 de julho de 2008

ARREGAÇA, LEÃO DA BAHIA!


Fotos:Celso Ávila/Futura Press, publicadas no Portal Terra

As duras derrotas contra Fluminense e principalmente contra o São Paulo temperaram bem a equipe do Vitória, que disse ôsh... para as quase 42 mil pessoas que foram fazer festa pro Flamengo no Maracanã hoje à noite e voltaram magoadíssimas pra casa. Mandou 1X0 no festejado Mengão, com direito a um passe do Marquinhos no meio das canetas do marcador, que deixou Dinei de cara pro gol. Ô menino danado esse Marquinhos, benza deus...

Volta o glorioso rubro-negro baiano para o G-4 e avisa que acha mesmo que futebol é uma caixinha de surpresas, que a competição é longa e cheia de altos e baixos, que vencer e perder faz parte do esporte etc etc etc. Concorda com tudo isso mas quer continuar nas cabeças e tem time pra isso.

Jogos difíceis de verdade agora só na 17ª e 18ª rodadas, quando sai pra jogar fora contra Grêmio e Palmeiras. Até lá é festa, uma atrás da outra, contra Náutico em casa, Atlético mineiro fora e Atlético paranaense novamente no Barradão. Alguém duvida?




O Governador da Bahia, Jaques Wagner, perdeu excelente oportunidade de dedicar-se às imensas responsabilidades que a ele foram confiadas pelo povo baiano para intrometer-se grotescamente na questão da cessão do Barradão para o jurássico Baêa-Sua-Porra.

Se a idéia era fazer bonito paro o povo sofrido de Itinga e cercanias, parabéns para os secretários Fernando Schimidt e Rui Costa, os encarregados de fazer chegar à diretoria do Vitória o "pedido" do Governador.

Cabe uma nota sobre esse assunto. Gestos simplórios como esse, desproporcionais às grandes expectativas (e necessidades) do povo da Bahia custam muito caro à imagem de um governante.

A torcida do Vitória não esquecerá disso, Governador. Ainda que a diretoria do Vitória faça desse limão uma limonada e receba dinheiro e benefícios para melhorias no Barradão, o que parece ser uma tendência quase irresistível.

Não bastasse o uso de dinheiro público (sem licitação) para prover a toque de caixa um clube de futebol -uma entidade privada com fins lucrativos, nem sempre lícitos- de um estádio, como se faz com Pituaçu, o ex-presidente do Bahia e chefe de gabinete do governador, Fernando Schimidt, descobriu que pode também investir nos arredores e no próprio estádio do Vitória. Tudo para que o Bahia tenha onde jogar enquanto as obras de Pituaçu não terminam.

Emblemático. Uma homenagem ao primeiro ano de falecimento de ACM, que por ser do ramo, usava o populismo sem remorsos nem discursos que até o reino mineral sabia serem indefensáveis. Fazia e fim de papo, quem quisesse que fosse se queixar ao bispo.

A diferença é que por ser do ramo, ACM fazia isso com competência e jamais desagradaria os 33% de torcedores do Vitória para agradar os 40% de torcedores tricolores, segundo a mais recente pesquisa sobre as preferências clubísticas no Estado.

E ficamos assim: o risível Bobô segue à frente da Sudesb e sob o peso dos escombros que vitimaram 7 torcedores na Fonte Nova; o Bahia ganha um estádio sem investir um tostão e o Vitória ganha promessas de acessos viários, estacionamentos e assentos para o seu estádio, além das receitas com o aluguel para o decadente Baêa-Sua-Porra.

Uma conta na qual, segundo o secretário Schimidt, todos saem ganhando. Menos o Governador Wagner e o erário estadual.

Burros.

5 comentários:

Marcus Gusmão disse...

Por que odiar tanto um time campeão? Talvez seja por isso mesmo. Por ser um time campeão. Um dia vocês chegarão lá também, tenham calma. E este ódio ao Bahia não faz bem, taí o exemplo de Felipe, que deveria dirigir sua ira a Paulo Carneiro. Bem feito.
Por mais que vocês esculhambem, não adianta. Veja o que está nas gazetas eletrônicas:
Alexandre Sinato (UOL)
Em São Paulo
Após 11 jogos imbatível, o Corinthians teve sua invencibilidade encerrada na Série B. E o responsável pela queda alvinegra foi o outro campeão de elite presente na Segundona...
Se quiser ver o gol de Felipe, tá aqui:
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2008/07/19/ult59u164617.jhtm

Agora, sua acidez contra a utilização de dinheiro público para favorecer clubes pode ser curada com fatos. Veja este trecho de uma matéria sobre os feitos do grande e maior torcedor benemérito do Vitória. Estou falando de ACM.
"Tinha mesmo convicções e prestígio político e os utilizava em prol dos clubes baianos. Em 1988, interferiu junto à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e ajudou a colocar o Vitória na disputa do Campeonato Brasileiro da Série A. Cinco anos depois, presenteou o então vice-campeão nacional com a iluminação do Barradão.

paulo galo disse...

Dois equívocos aqui, brilhante Gusmones.
1) O Baêa-Sua-Porra, dada sua total desimportância para a cena futebolística brasileira nos últimos 20 anos, não é alvo do meu ódio. Meus sentimentos em relação a essa poderosa agremiação de outrora passa muito antes pela indiferença. Depois pelo clamor de justiça desportiva, pela qual aos vencedores os louros e aos derrotados a compaixão, se possível.
2) Os desatinos de ACM foram devidamente julgados pelo povo da Bahia, inclusive os que vc cita. crimes praticados no passado em benefício do vitória não avalizam os de agora, que a propósito custarão muito mais que os refletores do Barradão.
Continuo seu fã, bjs.

Anônimo disse...

esse Gusmão é realmente tricolete, pq acm fez isso ou aquilo o governo do PT tem que fazer obras sem licitar, Pituçu, dirigir uma licitação para o Jahia ganhar, e não colocar o dinheiro publico em prioridade social, haja visto agrana a ser gasta no munumental.
O comentário de Felipe, ora, ora, ora, ele apenas disse que odeia o Jahia, assim como eu odeio gente burra, lenta no transito ou truculentos da Bamor, não necessariamente nesta ordem.
Não se esquecam... a acidez do comentario com o dinheiro publico, pode ser curada com outro roubo, desvio de verba etc. se ele fez, pode ser feito de novo

Marcus Gusmão disse...

Caro anônimo,
você odeia gente burra, mas por um acidente, e somente por isso, não entendeu o meu comentário. Infelizmente, a ironia tem o alto preço da seletividade.
Aproveito para responder a Galo també, este entendeu, mas se fez de desentendido ao chamar de indiferença quase uma obsessão. Quer uma prova. Jogue Itinga na busca do blog e veja o tempo e a "tinta" que ele gastou para se ocupar de um time pelo qual tem indiferença. Quanto aos refletores, foi apenas um dos mimos do governo da Bahia com o Vitória. João Durval, por "sugestão" de ACM fez muito mais pelo rubro-negro.
Quanto a Felipe, quis apenas dizer que ele se envenenou com o próprio ódio. Goleiro tem que ser frio como o grande rubro-negro Dida.
Ufa, explicar cansa.

paulo galo disse...

Tá legal, tá legal, eu aceito o argumento de que o Baêa-Sua-Porra não me é indiferente. Não é mesmo, tiro a roupa pra dizer que desejo ardentemente vingar-me dos anos da infância e adolescência vividos sob o manto negro da desilusão, de ver o Vitória formar times fantásticos pra perder títulos para o Bahia, que frequentemente formava times pouco acima do medíocre.
Quero que arda 1000 anos na fogueira da 4ª divisão, que dispute o Intermunicipal e que assista, embalado pelas eternas reminiscências, as glórias presentes e futuras do rubro-negro baiano, do Leão da Bahia.
E tem mais: adoraria ver vc, Gusmones querido, aos 90 anos de idade, brandindo os títulos de 59 e 88, lá no interior de Minas onde, a propósito, viverei meu crepúsculo também. Paixão futebolística exercida retrospectivamente é muito engraçado, tô pra ver...
Sua sorte, Mococa, é o brilho da sua inteligência, a qualidade de sua pena, o valor da sua alma e o carinho que tenho por vc. Há mais virtudes, oportunamente darei sequência no rol.
Por hora deixo abraço e um convite: vá ao Barradão amanhã e participe de uma experiência esportiva feliz, vencedora. Futebol não se curte olhando pro retrovisor, bacana é vê-lo pelo parabrisas, capice?