POR OUTRO LADO...

quinta-feira, 24 de abril de 2008

VAI QUE É SUA, MESQUITA!

Escreveu-me ontem o velho Mesquita, lendário habitante da península itapagipana de Salvador e parceiro de farras memoráveis por lugares escrotésimos, na companhia de mulheres suspeitíssimas, para pouco dizer. Ô imundiça...

Pedia-me conselhos sobre como banir o sedentarismo de sua vida, sem torturas ou métodos infactíveis para um homem de quase 50 anos e que lembra ter jogado bola pela última vez quando tinha 14.

Mesquitão, meu velho, vou tentar alinhavar aqui o pouco que aprendi nesses últimos três anos, quando tomei a decisão que vc me relata estar prestes a tomar também. Se esquecer de algo que depois eu me dê conta como relevente, falarei ao vivo pra vc, quem sabe devorando um mocotó em São Joaquim...

1) Banir o sedentarismo é antes de tudo uma decisão que se forma lenta e consistentemente em nossas almas. Cada pessoa tem um tempo próprio para dialogar consigo mesmo sobre esse assunto e às vezes demora um pouquinho até calçar um tênis de boa qualidade e começar a dar seus primeiros passos. Não é perda de tempo fuçar os sites de "saúde" dos portais na internet enquanto essa hora não chega. Pesquise, conheça, familiarize-se, descubra o que puder sobre os benefícios para sua saúde e para sua auto-estima. Você vai dar musculatura à sua vontade antes de começar a dá-la ao seu corpo e isso, acredite, vai ser muito importante lá na frente quando a preguiça quiser tirá-lo do caminho que vc escolheu.

2) Seja humilde diante dos resultados iniciais. Vc está vindo de um longo tempo de inatividade física e o corpo, meu velho amigo, é uma entidade quase que autônoma, vc é mero hóspede dele. Trate-o como respeito e paciência, caminhando diariamente 30 minutos. Antes, faça um pouco de alongamento, isso ajuda muito a tornar sua caminhada mais eficaz e prazerosa. Repita no término do percurso.

3) Respire, respire, respire. Se ligue na sanfona que vc traz dentro do peito, é ela que fornece o combustível básico dos músculos e tendões do nosso corpo, o oxigênio.

4) Caminhe respirando profunda e calmamente, não se desligue disso. Lembra daquele velho dizer "barriga pra dentro, peito pra fora!"? faça isso, bacana: comece a avisar a rapaziada que sustenta o seu abdômem que vai começar a rolar um trabalhinho pra eles. Ídem pra turma que deveria estar segurando sua coluna, mantendo vc ereto, com o peito estufado.

5) Resumo da aula número um, meu camaradinha: chova ou faça sol, calce seu tênis e caminhe todo dia, se possível logo de manhã cedo. Você vencerá a etapa mais difícil dessa história de tornar-se fisicamente ativo se conseguir fazer disso uma rotina diária, inegociável. Postura ereta, barriga contida, respiração calma e profunda. Todo dia, todo dia, todo dia, é assim que se começa.

6) Ah, ia esquecendo: quando falamos caminhada, não falamos de um passeio feito com chinelo de dedo, lentamente. Caminhar aqui ganha o sentido de exercitar-se fisicamente, portanto larga mão de ser frouxo e dê alguma velocidade ao seu caminhar. Essa velocidade irá aumentar gradativamente, até ela começar a ganhar maturidade e querer ser chamada de corrida. mas isso é uma outra história, daqui a algumas semanas começaremos a conversar sobre isso, flws?

Para esse momento, era tudo o que eu tinha a pra compartilhar com vc, bacana. Não fique triste se não fui capaz de indicar-lhe algo que trouxesse resultados mais rápidos e mais espetaculares. É que nessa área, Mesquitalho, nada de bom e consistente acontece rápido, infelizmente.

Mas juro pra vc que quando acontece a vida muda magicamente e nunca mais volta a ser o que era. Vale a pena, persevere.

Enquanto isso, que tal banir a porra do refrigerante e das frituras do cardápio de segunda a sexta? nada de gorduras ou alimentos preparados com excesso de sal e óleo, pra poder ter crédito em chutar moderadamente o pau da barraca no final de semana, que tal?

Mantenha-me informado. Se você sustentar essa decisão firmemente por três meses, vai ser aprovado pra segunda fase, tá?

Nenhum comentário: