POR OUTRO LADO...

sábado, 24 de novembro de 2007

A UM PASSO DA ETERNIDADE


Essa foto, como todo acontecimento extraordinário, varreu a internet nos últimos dias. Deu no Kibe Loko e no Sarapatel. O notável tricolor baiano Otávio Almeida mandou-me por e-mail, feliz com a virtual ascenção do EC Bahia para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro de futebol de 2008.

Que posso fazer diante da insanidade de pessoas queridas como Handerson Leite, Armando Machado, Álvaro Figueiredo, Marcus Gusmão, Juan Sande e outros tantos, que insistem em macular suas reputações alimentando uma paixão destrambelhada e há muito não correspondida?

Queridos: pensando bem, que são mais alguns anos de penúria diante da eternidade da vida, das eras geológicas, da expansão do universo? a chegada do Jaía na série A em algum momento dos próximos anos coroará esse esforço épico de encher a Fonte Nova a cada rodada, ano após ano, felizes tal qual mosquito em cu de cachorro. O sofrimento aprimora a alma -mesmo as mais rudes, como as da foto, ou as mais insensatas, como a de vocês.

Só lamento não poder corresponder à expectativa de alguns em dirigir minhas melhores energias a esse ícone do ocaso futebolístico brasileiro, em nome da baianidade. Sei bem o que passei na década de 70 ali mesmo na Fonte Nova e por isso afirmo: torço pelo Bahia sim, torço pra que fique décadas alternando temporadas na segunda e na terceira divisão, Com a Fonte Nova sempre lotada, é craro!!

E dá licença porque eu tenho mais é que me preocupar com a Libertadores de 2009, valeu?

Fui.

3 comentários:

Marcus disse...

Galinho, meu velho

O Baêa é um patrimônio de infância, de quando eu ouvia a resenha de meio dia em Castro Alves e acompanhava as façanhas de Sapatão, Picolé, Eliseu, Baiaco e companhia....Um Bahia que mermo ingnorante mim encinou o prefixo hepta, de heptacampeão baiano, e me tornou bicampeão brasileiro. Claro, você vai sacar o argumento (falso) de que quem vive de passado é museu, vai questionar o primeiro título brasileiro, enfim todo este rancor nutrido pelo time que tem no ódio pelo meu Baêa o motor da sua existência. Cerei A, não tenho dúvidas. Aguarde-nos, vice...

paulo galo disse...

Sabe pq gosto de falar de futebol, Marcão? pq é o único debate que conheço em que não há compromisso com o bom senso. É verdade, discutir paixão clubística é apenas sacanear livre e consentidamente a paixão adversária, uma liberdade das mais gostosas. Que nem tomar banho de chuva, tirar meleca, mijar na rua.
Posto isso, mau camaradinha, permita-me: existência movida a ódio pelo Jaía?! viver suspirando por Douglas, Beijoca, Roberto Rebouças enquanto o time chafurda na merda há mais de 15 anos??
Quanta baboseira, meu deus...

Marcus disse...

Se quem chafurda na merda há 15 anos foi 5 vezes campeão bainao e duas vezes campeão do Nordeste neste período, onde chafurdava o vice?
confira: http://www.esporteclubebahia.com.br/historia/titulos.php?cod_categoria=21