POR OUTRO LADO...

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

FAVELA AL MARE

O empenho da prefeitura de Salvador em produzir uma obra emblemática de sua gestão resultou em sucesso.

A foto ao lado, produzida pelo Fernando Vivas para a Agência A Tarde, registra a cara do litoral soteropolitano para o verão 2008/2009. No lugar de barracas de praia, toldos improvisados e gatos de luz.

Pra você que não é de Salvador a história é a seguinte: a prefeitura autorizou a construção de barracas de alvenaria em substituição das de madeira. E o Ministério Público meteu o dedo na história, quando já iam longe as obras. Motivo óbvio: à prefeitura de Salvador não compete autorizar obras em praias, só a União pode fazê-lo. Por arrogância ou incompetência do poder público municipal, o imbroglio foi formado e a justiça ordenou a demolição das barracas construídas. Deu-se a merda.

Assim, Salvador sofre mais um duro golpe, no momento em que o turismo da cidade vive seu pior momento na história. Os hotéis e pousadas da cidade estão vazios e o trade turístico já não sabe mais o que fazer. Previsões sombrias para o verão que se aproxima, que pra completar terá o carnaval começando dia 31 de janeiro, atropelando a festa de Yemanjá.

Confesso que nunca vi Salvador tão maltratada, tão ferida em sua autoestima. Só faltavam arrebentar com sua orla. Faltava, não falta mais.

A praia de Ramos tá mais bonita, pode apostar.

4 comentários:

Marcus disse...

Galinho,
O principal responsável por esta porcaria na praia e no resto de nossa cidade é Forrest John. Revi outro dia o filme e descobri que sou profundamente injusto com a comparação. Forrest tinha como principal qualidade a ingenuidade. Nosso prefeito não. Ele se faz de besta com muita competência.
Nenhum jornal toca no assunto hoje, mas tudo começou quando, de olho no dinherin da nova schin, nosso escovado prefeito passou por cima de tudo na ânsia de realizar sua segunda grande obra (a primeira é a pintura de meio-fio) sem gastar um centavo e liberou aquele conjunto residencial linear da Praia do Corsário a Itapoan patrocinado pela cervejaria.
Mesmo depois de alertado para a merda que fez, foi pras reuniões dos barraqueiros posar de candidato e disse que para derrubar as barracas teriam que passar os tratores por cima dele.
Os tratores da prefeitura foram, fizeram o serviço anteontem mas Forrest não compareceu. Sabiiido...

Alvaro disse...

Alvaro disse...

Tîvemos, Galo e Marcus, o apoio do gênio no planejamento, felizmente já alijado da pasta municipal, o Arnando Lessa, que programou, quem sabe se de olho nos votos ou nos caraminguás decorrentes, a obra q paralisou, há 15 meses, a cervejinha gelada c/peixinho frito do baiano.
A boa notícia é, justiça se faça, a retomada dos vôos de Sampa, que deve reduzir o mico a ser pago pelo turismo baiano, q perdia 20 a 30 mil visitantes by month.
Mas não foi obra da administração Jonh H. O próprio governador, sectur, e trade é q mexeram as anquinhas, foram ao maestro Jobim e ao Prime Lula, revertendo mais este despautério. Sei q seu rapoio é todo de esquerda, mas, excessão feita, tá difícil elogiar, cantadô.
kssass
alf

cacos meus botoes disse...

Galinho,
Cheguei ao seu blog por indicação do licuri e já sou fã. Sobre a favelização da orla, é lamentável q tenhamos chegado a esse ponto, com mais um verão e os barraqueiros a ver navios... Que coisa dramática! Sobre seu outro post, a pressa na demolição da Fonte Nova, tudo aqui é assim: decidem fazer o que mais faraônico possam, para tentar entrar para a história. Parece que é por isso q político gosta tanto de obras grandiosas. Inacreditável que a sociedade baiana, através dos seus órgãos ligados à arquitetura, não se pronunciem, não exijam um estudo mais apurado sobre o tema. Fica tudo por isso mesmo. O poder decide, a patuléia (Hélio Gáspari) acata, como se nada pudesse fazer. Está na hora de se exigir uma prova, por a + b q fica mais barato destruir tudo e fazer de novo a reformar. Duvido q cheguem a esse resultado. Parabéns pelo blog, estarei sempre por aqui. Abraço, Christiana Fausto.

olho de lince disse...

cris, galinho, marcus
tentado pela mosca azul, nosso governador corre o risco de vir a chafurdar na mesma lama q lambuzou o peixe menor Zenildo Gautama, mais alguns asseclas e apaniguados
a gente conhece a lavanderia q é a construção civil,e é claro q dá mesmo trabalho encarar o resgate do débito social crítico, como segurança pública, pra falar só de um efeito colateral provocado pelo colapso dos demais, como qualificação e emprego.
Mas os tempos são outros, e agrita deve começar logo.
Zé povo não é a anta quadriculada q se pensa, não mais.
E o calo já dói faz tempo
OL