POR OUTRO LADO...

quarta-feira, 18 de julho de 2007

SOBRE A TRAGÉDIA DE CONGONHAS


Recuso-me a falar sobre o tratamento medíocre e oportunista que a grande (grande?) imprensa deu imediatamente após o terrível acidente ocorrido há poucas horas atrás no Aeroporto de Congonhas. Era óbvia a intenção de vincular a tragédia -que deverá produzir algo em torno de 200 mortos- ao "apagão aéreo".


Ninguém pode saber, poucas horas depois, o que aconteceu. Só a perícia irá elucidar os fatos. De pronto, há três hipóteses circulando entre técnicos e pilotos, na internet:


1) A pista ter sido liberada, após as reformas concluídas em 30 de junho, sem as devidas condições de segurança. Se foi isso que provocou a aquaplanagem do A-320, a Infraero está em péssimos lençóis. Sua diretoria virtualmente demitida e a União com uma pesada indenização a pagar pelas perdas humanas e materiais provocadas.


2) O piloto ter aterrisado num ponto muito adiante da cabeceira da pista e/ou numa velocidade acima do permitido, seja por falha técnica na aeronave, seja por erro grave do piloto.


3) A combinação das duas hipóteses acima, o que exigiria muita clareza para responder à pergunta óbvia: se não houvesse a falha técnica ou humana essa ou outra aeronave teria aquaplanado?


Seja lá o que tenha acontecido, resta exigir investigações sérias para a apuração das responsabilidades. E meter o dedo na ferida acerca dos interesses comerciais que colocam em risco, com a superutilização de Congonhas, a vida de milhões de pessoas.

5 comentários:

Márcia disse...

Paulinho,
É fácil dizer que a grande imprensa está disseminando a idéia de que a culpa é de X ou Y. A imprensa tem reproduzido o que pilotos, especialistas no setor e nós, população, temos dito.
A culpa pode não ser da falta de capacidade do governo de resolver a crise aérea, mas que desde setembro do ano passado, o brasileiro que viaja de avião tem convivido com o caos nos aeroportos e com o medo.
vamos aguardar as investigações, que se for igual às do acidente da Gol levarão um ano para serem concluídas, se forem...
Semana passada eu tive em Fortaleza e entrei no avião com a possibilidade de que poderia não sair viva dali. Medo que nunca tive. Então, o governo, controladores, imprensa.. todos implantaram em nosso inconsciente a idéia de que pode não ser tão seguro viajar de avião.
SAUDADES

paulo galo disse...

Marcia, querida

A sensação de que trafegamos numa espécis de BR-101 aérea desde setembro de 2006 é um horror mesmo. Entendo o que vc diz e acho que que o governo Lula tem parte responsabilidade sim pelo que acontece. Decisões importantes como a do recapeamento das pistas de Congonhas demoraram por baixo três anos pra serem tomadas. Í dem em relação aos equipamentos do controle de tráfego e à contratação de novos profissionais para o controle aéreo.
Uma herança dos anos FHC que o governo demorou em se ver livre.
Embora os fatos não permitam que fique em pé a tese de que o governo foi responsável por essas duas tragédias, é fato que o crescimento vertiginoso do número de passageiros nos últimos anos pôs nua a ausência de visão estratégica dos governos Lula e FHC em relação aos transportes de uma forma geral e à infraestrujtura aeroportuária em especial -pra não falarmos das rodovias, portos, hidrovias, ferrovias etc.
Só não aceito é a má-fé jornalística à serviço da luta política. Aí não, aí eu fico muito puto. Mas ó, quer saber? vou escrever algo agora mesmo sobre isso.
Pô Marcinha, tu não mandou suas maravilhas pra gente aqui hein?! e ainda diz que tá com saudades...sniff...
Beijos!

Marcus Gusmão disse...

Eu não aguento mais ouvir falar nem de Pan nem deste acidente. É uma overdose de informação tamanha que parece que o mundo parou. E quanto mais eu fujo destes assuntos, mas as telas me chamam de volta a eles. Cara, não é questão só de culpa. Não tem como dissociar uma coisa da outra. Se foi a pista mal feita, se foi o cansaço do piloto, se foi o airbus que pifou, pouco importa. O fato é que vivemos um caos e alguém tem que responder por isso. Tem jogo político sim e não foi a toa que Serra botou a carinha dele na tela. Mas por acaso quem está no comando é Lula, que tem poder constitucional sobre a Aeronaútica, que tem poder para indicar ministros, que tem poder para indicar dirigentes da Infraero, que tem poder para influir no orçamento. É melhor para todos nós que ele comece a exercer efetivamente este poder o mais rápido possível. É melhor para ele também.

Zé Mario disse...

Na verdade tem muita gente na imprensa que quer aparecer muito mais que a prórpia notícia. Vocês já notaram como os apresentadores, comentaristas e repóeteres são especialistas em tudo? Se acontece um acidente aéreo eles falam com tanta propriedade, que até parecem ser os aeronautas mais experientes do mundo. Se acontece algum erro médico, os comentaristas se transformam em grandes cirurgiões e assim por diante. Antes de ontem eu ouvia um destes âncoras colocando a culpa na falta das ranhuras da pista, como se ele fosse a pessoa que tivesse inventado as tais ranhuras. Outra coisa é falar mal da pista de Conconhas, dizendo que ela é curta e coisas assim. Tenho viajado e descido em aeroportos com pistas muito menores que Congonhas e em condições muito piores. O que aconteceu foi uma fatalidade e só a análise de todos os dados chegar-se-á a uma conclusão. Fora isso é tudo especulação e gente querendo aparecer mais que podem.

paulo galo disse...

Muito legal você ter abordado esse aspecto, Ze Mario. O show bizz sensacionalista, a produzir especialistas em grooving, da noite pro dia. O Datena é o pior deles. Um saco.
Congonhas é complicado mesmo, aparentementem Zé. A quesstão parece não ser o tamanho da pista ou a densidade urbana ao redor mas a falta de áreas de escape. Ou seja, se alguma coisa der errado -como deu anteontem- não há muito o que fazer senão escolher a Washington Luiz ou a Bandeirantes pra aterrisar.
mas há outras questões que precisam ser discutidas como a regulação do setor aéreo e a campanha subliminar pela privatização da Infraero. Vamos colocar isso em pauta aqui a partir de amanhã, apareça.