POR OUTRO LADO...

terça-feira, 31 de julho de 2007

CLASSE MÉDIA, IMPRENSA E AS ETERNAS TEORIAS CONSPIRATÓRIAS


Por Júpiter, quando é que o aquecimento global vai dar as caras aqui por São Paulo e espantar esse frio de lascar? Segundo o INMET, as temperaturas começam a subir a partir de quinta-feira próxima. Que assim queira o Criador, tá dureza pôr o pé na rua com temperaturas em torno de e vento forte levando a sensação térmica para algo abaixo de zero. Bosta de tempo gelado, sô!

Mas nem o frio me impedirá de fazer alguns comentários sobre o comportamento da imprensa, a insatisfação da classe média com o governo Lula e as teorias conspiratórias que estão sendo cultivadas pelo Brasil afora, a querer revelar um golpe de estado em curso, à semelhança de 1964. Com direito a um repeteco da Marcha da Família, com Deus e pela Liberdade, ilustrada com a foto acima.

1) Lula goza de sólida popularidade no Brasil. As classes C, D e E, contempladas com importantes ações do governo (PROUNI, Bolsa Família, PRONAF, aumento do salário mínimo, microcrédito, Luz Para Todos e outras tantas), reconhecem a opção do governo do PT pela redução das desigualdades sociais. Sabem que nunca foram alvo de tantas políticas concebidas para o seu benefício. E devolvem isso na forma de eleição, reeleição e níveis recordes de aprovação ao presidente e ao seu governo, desprezando a cobertura trepidante e falaciosa dos grandes veículos de imprensa. Essas classes populares e Lula estabeleceram um pacto de cuidados recíprocos que poderão, sim, fazer do metalúrgico iletrado um poderosíssimo cabo eleitoral em 2010. O nome de Ciro Gomes é o que parece encaixar-se melhor no projeto de Lula e nada me tira da cabeça que esse é o nome que ele guarda para bancar na hora H. Veremos.

2) A classe média brasileira tem bons motivos para sentir-se preterida pelo governo Lula. Tem alto imposto de renda retido na fonte, paga caro por serviços de educação e saúde privados, é vítima recorrente da violência e de serviços públicos ineficientes. Definitivamente, não foi convidada para a festa e não está disposta a entender que ações estruturantes estão em curso e que produzirão resultados capazes de contemplar seus interesses daqui a alguns anos. Em cidades como São Paulo, onde a classe média é numerosa e politicamente hegemônica, o PT tem grandes dificuldade de dialogar com a classe média, haja vista o que dizem as pesquisas e os resultados eleitorais.

3) A centro-direita brasileira (leia-se PSDB e DEM) conhece bem os caminhos para a sedução da classe média. Continua apostando suas fichas eleitorais nessa via, a despeito das derrotas colhidas nos últimos anos. E vamos combinar uma coisa: nada há de ilegítimo nisso. Nem na insatisfação dessa classe, nem na opção política, social e econômica desse arco forças que tem em José Serra, governador de São Paulo, seu principal representante. O PT precisa aprender a ser governo e sepultar de uma vez por todas o fantasma de 1964. O Brasil não é a Venezuela, Lula não se move com a truculência de Hugo Chavez para aceitar impasses intitucionais e as chances de um golpe de estado são tão grandes quanto às da Juliana Paes beijar a minha boca.

4) A imprensa não sobrevive dos recursos das classes populares. Sobrevive do dinheiro da classe média, que fornece combustível para essa cadeia alimentar. Não poderia ser outra a linha editorial desses veículos senão a que assistimos hoje. Faça de conta por um minuto que você é um publisher e que conhece a fundo as idiossincrasias de seu público-alvo. Que você faria para vender seus produtos a essas pessoas? Falaria a língua delas, não parece óbvio? Capricharia nas reportagens ofegantes em saguão de aeroporto, filmando crianças famintas e famílias indignadas com a falência desse bezerro de ouro da classe média que é viajar de avião. Pintaria em cores fortes o drama da família do garoto João Hélio, brutalmente despedaçado por bandidos que tomaram o carro de sua mãe no Rio de Janeiro, poucos meses atrás. Editaria imagens comoventes de gente que perdeu entes queridos no acidente de Congonhas e não perderia um minuto sequer para "provar" que a Infraero liberou uma pista sem condições de segurança, mesmo que depois a perícia provasse que houve grave falha mecânica ou humana e o assunto desaparecesse do noticiário. Sabe o que mais você faria? Você apresentaria subliminarmente José Serra como o maior gestor público do planeta e uma espécie de fruto do amor entre o Papai Noel e a Madre Teresa de Calcutá, como bem ilustrou o Paulo Henrique Amorim no seu Conversa Afiada.

5) Para além das convergências ideológicas entre a imprensa e a tropa neoliberal, o governo continua mostrando-se ineficaz na sua comunicação e lento na execução de suas decisões. Há sérios problemas de gestão, sim senhor, e isso é um combustível precioso para o denuncismo da imprensa e para a argumentação da oposição. Vale lembrar também que a mídia não desiste jamais de provocar enormes buracos na água diariamente, que se não movem do lugar a convicção das classes populares, prestam-se bem para o propósito de resolver a necessidade financeira das empresas de comunicação –que vendem jornais, revistas e audiência eletrônica. Por conseqüência, por mera conseqüência repito, prestam-se também aos objetivos políticos da elite econômica brasileira: de vencer as eleições de 2008 e principalmente a de 2010. Para essa duas coisas vale tudo, inclusive omitir, distorcer, escamotear, mentir sem pudor, indignar-se hipocritamente. Tudo em nome de dois conceitos básicos: primeiro, o governo do PT produz resultados macroeconômicos bons por conta da liquidez financeira internacional; segundo, o país poderia estar bem melhor se não houvesse tanta inaptidão gerencial, refletida no “caos aéreo”, a “crise” da vez.

6) Quem não quiser assistir às coberturas surreais como a que foi dada à tragédia em Congonhas, ao “lobista” Vavá e aos muitos “escândalos” que eclodirão pelos mesmos motivos de hoje, dou um conselho: assista “Família Dinossauro”, que reestreou ontem na TV Bandeirantes. É inteligente, divertido, bem produzido. Você vai ficar mais levinho e melhor preparado para conviver com esse circo de horrores a serviço do faturamento da imprensa e da candidatura do Serra.

É isso. Deixo aí embaixo um vídeo muitíssimo legal que achei ontem no Youtube e que é cara da classe média brasileira. Assista, vale a pena. Dá uma saudade danada do Nelson Rodrigues...

Fui.

6 comentários:

Marcus Gusmão disse...

E para completar ouvi hoje na BandNews uma blea notícia: a industria está a todo vapor, os empresários estão pra lá de confiantes e que o índice que mede esta confiança bate recorde. Ou seja o país está a mil.
Mas eu ainda não mudei de opinião: vou votar em Serra.
E mudando de Pau para cacete estava numa roda de amigos a comentar a porra do seu post sobre a ampla utilização da porra na Bahia e fiquei de mandar por-email. Mas como você escreve como a porra, passei uma porrada de tempo a buscar e não achei porra nenhuma. Você pode me mandar esta porra por e-mail?

paulo galo disse...

Tem muito mais, Gusmão: PIB acima de 5% nesse ano, risco-país abaixo de 125 até dezembro, reservas internacionais acima de US$200 bi, SELIC em torno de 10%. Mantidas as CNTP's dentro e fora do Brasil, Lula elegerá um chipanzé em 2010, se lhe fôr conveniente.
Quanto ao solicitado, pergunto: que porra de motivo me faria não mandar esse post pra você, porra? somos amigos ou não, que porra é essa?
Já mandei, mermão, taí no seu e-mail. Bjs

Cid disse...

Muito boa a análise meu amigo. Como sugestão de tema para reflexão, sugiro ler a coluna, de hoje, da Mônica Bergamo (FSP - 1/7/2007 - E2) que dá uma boa mostra da representatividade real do "Cansei".
E sim, eles também tem o direito de se manifestar. Faz parte das regras do jogo.
Forte abraço.

Marcia disse...

Paulinho, o Blogg do Galinho está cada vez melhor. Adorei o novo visu. Seu texto, como sempre, está muito bom. Tudo na medida certa, principalmente o humor.

paulo galo disse...

Cidão: muito legal ver vc por aqui, companheirinho. Alguém sugeriu hoje que o "Cansei" organizasse uma marcha até Comandatuba, pra dar uma boa descansada no litoral sul da Bahia. Ai, ai...
Marcinha: Tô ansioso pra te conhecer, mulher. Tem nada não, chego domingo em Salvador e vou combinar algo com o super-gusmones. Obrigado por sua sempre carinhosas palavras, viu? bjs

Tozzi disse...

Olá!

Postei no meu blog (What's the deal with) um texto falando sobre Sensação Térmica e acho que já ajuda a entender o que os meteorologistas falam sobre o assunto.

Confere lá!