POR OUTRO LADO...

terça-feira, 22 de maio de 2007

OVERVIEW



Estréia dia 25 próximo o longa "Esses Moços". A julgar pelo trailer, parece tratar-se de um belo filme, vale a pena conferir. A trama se desenrola em Salvador e quem assistiu a exibição nos festivais de cinema dentro e fora do Brasil elogiou muito a abordagem delicada feita pelo diretor José Araripe Jr ao drama dos excluídos na capital baiana. Aqui em São Paulo no HSBC Belas Artes (quase na esquina da Consolação com a Paulista); no Iguatemi de Salvador e na Academia do Tênis, em Brasilia. Mais informações no blog de divulgação do filme, AQUI. Acho que vai superar minha decepção com o caricato Ó Paí Ó!.

O que faz um homem meter na cabeça que vai plantar sozinho e às próprias custas centenas e centenas de árvores ao longo da Anchieta, uma das rodovias de ligação da baixada santista à cidade de São Paulo?; e um outro que também sozinho resolveu replantar palmito juçara no vale do ribeira, região sul do estado de São Paulo?; e aquele que lá numa cidadezinha de Goiás começou a recuperar as carteiras escolares depredadas pelos próprios estudantes e conseguiu envolver toda a comunidade nisso? esses são apenas alguns dos muitos exemplos de responsabilidade social que o povo brasileiro pratica sem que o poder público estimule ou apoie. Sem contrapartida de descontos no imposto de renda nem benefícios de imagem. Fazem porquê querem viver num ambiente melhor, simples assim. Acham que devem fazer a sua parte e fazem, metem a mão e fazem. Tem centenas de milhares desses caras por aí, prontinhos pra serem mobilizados e superarem a ineficiência de prefeituras, estados e municípios no alcance das artérias sociais mais finas. Até quando lutarão sozinhos?




Romário marcou seu milésimo gol, graças a deus, não aguentava mais a imprensa enchendo o saco com esse feito, que inclui jogos de casados X solteiros na contagem. Tá bom, a imprensa foi na onda, fechou os olhos e sapecou manchetes e mais manchetes. Chega, né?


Bolsa de valores bombando; contas externas em azul turquesa; inflação morrendo de inanição; risco-país abaixo da média dos emegentes e caminhando pra 100 pontos até o final do ano; investimentos gigantescos na educação e na infra-estrutura; um último degrau para o investiment grade, que vai trazer do exterior um maremoto de recursos para a economia real; crescimento do PIB de 2007 prometendo encostar nos 5%; SELIC caminhando pra 10% até dezembro; inédito crescimento de empregos formais; recorde histórico de financiamentos para a habitação e saneamento, bem como de investimentos estrangeiros diretos; ações vigorosas da Polícia Federal e do Ministério Público, desmontando quadrilhas infiltradas nos governos, a sinalizar que a corrupção endêmica está sendo combatida pra valer; uma revolução já iniciada com o álcool combustível e o biodiesel A oposição fica sem discurso a cada novo dia, o iletrado Lula conduz o Brasil a passos largos para um ciclo virtuoso de prosperidade com distribuição de renda, pela-primeira-vez-nesse-país. Tá mandando bem, para o desespero de alguns e sorte da maioria.




Mas nem tudo são rosas. O dólar derretendo desse jeito impõe graves riscos de desindustrialização na país. Sai mais barato comprar componentes chineses e montar produtos aqui e isso é ruim de verdade a médio prazo. Por outro lado a reforma tributária continua engasgada. A rearrumação do pacto federativo em torno da divisão do (enorme) bolo tributário continua a desafiar o governo, que sabe ser esse um nó estratégico para desatar o crescimento. A carga tributária brasileira é obscena e terá que diminuir fortemente para que as empresas diminuam seus custos e preços. Fora da reforma é só gambiarra em cima de gambiarra pra compensar com renúncia fiscal os efeitos do câmbio para os blockbusters da exportação. Na fila também, com igual importância, a reforma trabalhista, a modernização gerencial do estado e a reforma política. Lula optou pela formação de uma ampla aliança com diversos grupos políticos, principalmente com o PMDB, para emplacar essas reformas no congresso. Os governadores Serra e Aécio fazem parte desses entendimentos, na qualidade de pré-candidatos à presidência em 2010. É óbvio que eles gostariam de receber um país ajustadinho, com todas as reformas estruturantes realizadas, inclusive as impopulares.


É inacreditável no que tornaram as aldeias indígenas aculturadas. Não produzem nada, nem um pé de mandioca e criam graves problemas ambientais com a extração e venda ilegal de madeiras nobres e pedras preciosa em suas reservas, sempre com a cumplicidade de alguns antropólogos, da grande (grande?) imprensa e de setores do Ministério Público. Chantageiam o estado em nome das atrocidades praticadas pelos bandeirantes e por grileiros. Tô tomando uma birra do cassete com esses índios, sabia?

O clima do Pan tá esquentando e como na época das Olimpíadas fico pensando o que seríamos capazes de fazer se tivéssemos políticas públicas estrategicamente elaboradas e cuidadosamente implantadas nos três níveis de governo. Nada menos que um celeiro de recordistas, não faço por menos; os murmúrios de que altos acertos financeiros foram realizados na calada da noite são fortes.



O Rondeau vai dançar. E muita gente vai com ele. O Brasil tá mudando mesmo, os esquemas de corrupção terão que ser reciclados e os riscos serão cada vez maiores pra quem compra e pra quem se vende. O gargalo está na Justiça, tá corrompida de cima a baixo.


E o Jardel Gregório, cara? vai pular longe assim no raio que o parta, hein negão?!

7 comentários:

Nilson disse...

Legal o seu blog, Paulo. Vou linkar no Blag. A comunidade tá aumentando!!!

paulo galo disse...

puta honra o link e sua presença nessa janelinha aqui Nilsão. Tô ralando pra encontrar os caminhos desse terreirinho aqui. não é fácil, vc sabe. tem horas que só dá vontade de cronicar, em outras de fazer algo como esse post de hoje. enfim, sigo em frente. Sim, os herdeiros do Montanha e do Licuri estão se "espaiando"! Obrigado por sua visita, bjs

Anônimo disse...

Um beijo, querido
To por perto.

Soane disse...

Sou eu meu querido, ficou anônimo e então preciso me cadadstrar, né?
beijos

paulo galo disse...

beijos sô, tô sempre por perto tb

Marcus disse...

Sobre este cenário maravilhoso no governo do iletrado, comandado por financistas bem letrados e sabidos, tenho a sensação que tudo estaria igual ou melhor qualquer que fosse o eleito. Acho que é muito pouco para quem prometeu muito.

paulo galo disse...

pois é marcão, esse é um dois pilares da argumentação neoliberal. o que eles essencialmente dizem é: 1)lula nada mais fez que dar sequência à política econômica de FHC; 2)Lula goza de um cenário externo muito melhor. Os números, entretanto, não sustentam nem uma coisa nem outra, seja na economia, seja na área social. também gostaria que se tivesse avançado mais mas não dá pra perder de vista que o que se fez e o que se está fazendo é inédito e importante para o país. bato palmas pro iletrado e morro de rir com o contorcionismo risível da direita DEM e do tucanato neoliberal pra explicar que eles teriam feito melhor se tivessem tido a "sorte" do lula!